Caso você não visualize as animações corretamente, clique aqui para fazer o download do plugin do Flash.

BM&F Bovespa

Palavra de especialista

26/01/2011

As canelites no atletismo


Dores nas pernas são queixas muito frequentes no atletismo e as canelites representam de 6% a 16% de todas as lesões nos corredores


A canelite, considerada uma lesão por sobrecarga no esporte, é o nome popular da Síndrome do Estresse Tibial Medial (SETM), primeiramente descrita como uma dor induzida pelo exercício e localizada especificamente na margem posterior e interna (medial) da tíbia. Outras denominações são encontradas na literatura, tais como a "dor na perna induzida pelo exercício" e "tibialgia".

 

Embora vários estudos tenham procurado estabelecer as causas exatas para o surgimento da dor, na canelite a questão ainda não foi resolvida. Até pouco tempo atrás, a teoria mais aceita era a da inflamação do tecido que recobre o osso da tíbia (periósteo), provocada pela tração dos músculos sóleo e flexor longo dos dedos, além do tecido que recobre os músculos, a fáscia profunda.

 

Mais recentemente, estudos apresentam a teoria de que a canelite não corresponde a uma inflamação, mas, sim, a uma resposta de formação e absorção de osso, secundária à tração que os músculos exercem sobre a tíbia.

 

A sensação de dor óssea durante a corrida e aterrissagem dos saltos tem evolução progressiva. No início, a dor apresenta baixa intensidade, mas pode evoluir para grande intensidade, impossibilitando o atleta de continuar o treinamento. A área atingida pela dor, localizada principalmente na margem posterior e interna (medial) da tíbia, tem extensão de 4 cm a 6 cm.

 

Os sintomas podem durar de dias a meses e provocar mudanças no rendimento do atleta. Os movimentos do pé e do tornozelo geralmente não desencadeiam dor, mas os movimentos de alongamento do músculo sóleo e os saltos com uma perna podem ser sintomáticos.

 

Os fatores predisponentes ao aparecimento das canelites ainda são amplamente discutidos, como a pronação excessiva, as atividades de impacto repetitivo, o aumento súbito na frequência, intensidade e duração da atividade esportiva, o treinamento em superfícies rígidas, algumas técnicas de treinamento, calçados inadequados, os desequilíbrios musculares, as deficiências de flexibilidade, os índices de massa corporal elevados, as lesões pregressas e as anormalidades biomecânicas.

 

Cuide das suas pernas e bons treinos!

 

Dr. Cristiano Frota de Souza Laurino

Médico Ortopedista do Clube de Atletismo BM&F/BOVESPA



Voltar à Home
Ir para o Topo
Copyright © 2010 Clube de Atletismo BM&FBOVESPA. Acesse e conheça o Instituto BM&FBOVESPA. Termos e Condições.
Content Stuff